CIRURGIA DO QUADRIL

 
 ARTROSE e ARTROPLASTIA


A articulação do quadril é formada pela cabeça femoral encaixada na cavidade acetabular da pelve. Nas articulações os ossos são revestidos pela cartilagem hialina que permite o movimento com deslizamento suave e pouco atrito. A cartilagem articular tem aproximadamente 4mm de espessura e pode ser observada ao raio-X pelo espaço que separa as parte óssea do fêmur e do acetábulo.

O quadril possui uma cartilagem no bordo do acetábulo chamada “Labrum” que auxilia na estabilidade articular.

A Osteoartrose do quadril é uma doença degenerativa da articulação onde ocorre a perda da cartilagem articular, com diminuição progressiva dos movimentos, dor no quadril, na coxa e no joelho e claudicação.

Ao raio-x pode ser observado a diminuição do espaço que separa a cabeça do fêmur do acetábulo.
O tratamento da Osteoartrose do quadril depende da idade do paciente a severidade dos sintomas. O tratamento conservador, isto é, não cirúrgico, envolve o uso de analgésicos e antiinflamatórios, fisioterapia, uso de apoio como bengala, controle do peso corporal e afastamento das atividades que sobrecarregam a articulação.

O tratamento cirúrgico deve ser considerado quando esgotado os métodos conservadores, quando a dor e a incapacidade de locomoção é grave. Nos pacientes jovens com considerável grau de movimento articular a Osteotomia é uma boa indicação e consiste na realização de um corte no osso e fixação interna posicionando partes da articulação que aindatenham uma boa cartilagem para a zona de suporte da carga do peso corporal.

Artroplastia
é uma cirurgia que consiste na remoção da cabeça femoral com artrose e da superfície articular degenerada do acetábulo com a substituição por prótese total do quadril.

O objetivo principal da artroplastia total do quadril é a eliminação da dor e proporcionar bom movimento da articulação permitindo ao paciente caminhar sem dor.

A superfície mais utilizada na atualidade é uma cabeça metálica e um acetábulo de polietileno de peso molecular ultra-alto. Outras superfícies são metal-metal e cerâmica-cerâmica que apresentam menor desgaste em relação ao metal-polietileno. O tipo de superfície a ser utilizado depende de vários fatores como a idade, atividade física da pessoa, causa da artrose, peso corporal e outros. Não há uma superfície ideal que resolva todos os casos. Todas elas apresentam caracteríticas positivas e negativas. Nos pacientes mais jovens, com maior espectativa de vida e ativos há uma tendência à utilização das superfícies metal-metal, cerâmica-cerâmica ou cerâmica-polietileno.



As próteses podem ser cimentadas, quando são fixas ao osso utilizando um “cimento ortopédico” ou não cimentadas utiliza-se uma “fixação biológica”, com crescimento ósseo e aderência do osso ao implante.



A cirurgia de artroplastia do quadril é um procedimento complexo que necessita internação do paciente. A anestesia pode ser um bloqueio espinhal peridural ou  anestesia geral ou uma combinação das duas técnicas.

Os benefícios da artroplastia sobrepõem-se aos riscos cirúrgicos. Freqüentemente é necessária a transfusão de sangue devido a sangramento intra-operatório ou pós-operatório. As complicações incluem: Luxação da prótese, isto é, deslocamento da prótese; infecção; trombose e soltura tardia em longo prazo.



IMPACTO FEMOROACETABULAR

O impacto femoroacetabular acomete geralmente os indivíduos mais jovens e consiste no “choque” entre a junção colo-cabeça femoral contra o labrum e rebordo acetabular anterior, durante o movimento de flexão-adução-rotação interna do quadril. A causa principal desse impacto está relacionada a uma displasia femoral, isto é, uma má formação femoral com um alargamento ósseo ou até uma saliência óssea parecido com uma pequena “lombada” na porção anterior da junção colo-cabeça femoral. Essa impactação causa o descolamento de uma fibrocartilagem circular localizada no bordo do acetábulo, chamada “labrum do acetábulo”, originando um processo degenerativo progressivo da cartilagem articular adjacente sendo uma importante causa biomecânica da artrose coxo-femoral.

O principal sintoma é a dor na face anterior e lateral do quadril ao realizar determinados movimentos, como se levantar da posição sentada para posição em pé, a pessoa pode sentir uma espécie de “fisgada” na região da  virilha ou na face lateral do quadril.
Muitas vezes ocorre um desconforto ao entrar e sair do automóvel ou quando permanece muito tempo na posição sentada.

O diagnóstico precoce e o tratamento possibilitam o retorno às atividades laborais e desportivas, desses pacientes jovens, melhorando a qualidade de vida. Para auxiliar no diagnóstico o ortopedista utiliza radiografias  e ressonância nuclear magnética do quadril.

O tratamento cirúrgico pode ser realizado por via aberta convencional, com incisão cirúrgica e acesso direto da articulação, com o deslocamento da cabeça femoral, e a ressecção do excesso de osso, “osteoplastia”, como que “esculpindo” a junção colo-cabeça femoral. Sempre que possível o Labrum do acetábulo é re-fixado no bordo do acetábulo. Esse procedimento também pode ser realizado através de vídeo-artroscopia cirúrgica do quadril, uma cirurgia minimamente invasiva e ambulatorial, sem necessidade de internação do paciente. No pós-operatório o paciente utiliza um par de muletas por aproximadamente seis semanas acompanhado de tratamento coadjuvante na fisioterapia para reabilitação precoce do quadril.


VIDEOARTROSCOPIA DO QUADRIL


A vídeoartroscopia do quadril é um procedimento cirúrgico minimamente invasivo que permite o cirurgião ortopedista acessar a  articulação coxo-femoral, através de pequenas incisões, introduzindo  um sistema óptico com cânulas, o artroscópio, acoplado a uma câmera que envia imagens do espaço articular para um monitor
de TV.

É um procedimento seguro com pouca ocorrência de complicações, apresenta rápida recuperação e retorno as atividades, permite o diagnóstico e o tratamento de várias doenças da articulação do quadril, sem a necessidade de uma cirurgia aberta convencional com maiores riscos e de recuperação mais lenta.